quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

O homem que queria publicar ou This is the end, beautiful friend

Buenas, gurizada, lá vai mais um final de ano, mais um aniversário do blog e mais agradecimentos pelos comentários e leituras.

No fim do ano passado, comentei que era hora de criar asas. Ledo engano.

O que eu me referia naquele - não muito - enigmático post é que eu achava que chegara a hora de publicar meus textos. Não que esse espaço bloguístico já não seja uma espécie de publicação. Porém, após ter trabalhado em uma livraria e ter lidado um pouco com o universo editorial, achei que era capaz de conseguir publicar um livro - com cheiro de novo e tudo.

O que veio após essa resolução foi uma sucessão de orçamentos, sustos com valores, críticas - boas e ruins - de editores. E eu nem sequer tinha o tal livro pronto.

Então, como eu não tinha o livro terminado, os contatos que eu fazia com editoras eram mera especulação. Porém, em agosto eu finalizei o livro. E mais uma rodada de tratativas começou.

O que tenho a dizer é que não é nada fácil publicar no Brasil. Ou você tem que ter grana pra bancar o seu livro, ou dar a sorte de ter algum conhecido no meio. Ambos não são meu caso. Outra saída são os concursos literários, mas estes, muitas vezes, são obscuros e com resultados duvidosos.

Mas se 2010 não foi o ano, 2011 será. Nem que eu tenha que fazer um esforço e bancar minha publicação. Nem que seja uma publicação independente (também consultei gráficas). Mas não deixarei que a poeira tome conta do meu sonho.

---
A quem interessar possa, aí vai uma palhinha do futuro livro, que, não por acaso, se chamará "A razão do absurdo":


Mais uma informação: Como podem ver no índice, o livro será formado por alguns contos inéditos, mas também por material já publicado aqui. Ou seja, uma forma de prestigiar, vocês, que lêem, comentam, criticam e etc.

Como consequência desse (quase)desabafo, comunico que estou abandonando de vez a produção para este blog. Notícias sobre a (tentativa de) publicação do livro podem pintar por aqui. Fiquem de olho!

Obrigado por tudo nesses dois anos. E espero que vocês sejam meus futuros leitores na versão impressa. Grande abraço!

13 comentários:

F! disse...

Puxa... que pena que vais parar de publicar coisas aqui. Nunca era muito legal, mas a gente sempre vinha te dar apoio! ahsuahsaui

Tô brincando. Sério, eu acho que tens muito talento pra coisa. Talento de tal tamanho que me faz sentir vergonha daquelas coisas à la Martha Medeiros (que eu detesto, por sinal!) no meu blog. Porém, eu não nasci pra coisa, e tu sim. Dou o maior apoio para que continues nesse caminho, até compro o teu livro por cinco pila quando lançares! :D

Uma observação: nada tem sido fácil no Brasil. Parece que sonhos do tipo atuação, música e letras são barrados por uma política que aposta em operários da mão na massa esquecendo da produção intelectual, pois a mesma, não gera lucro. É uma pena.

ps: "O cão preto" é uma paródia de "O gato preto", do mestre supremo?

Good Luck! :D

Paulo Olmedo disse...

Pô, valeu a força. Tu escreve bem, sim, não te minimiza. Não tão bem quanto eu, claro, mas se tu for humilde como eu e aceitar teus erros, talvez um dia do chegue ao meu nível huauhauhahua

Quanto à dificuldade é normal. Num país onde Paulo Coelho vende milhões e Rebolation é sucesso isso não me surpreende.

E o cão preto é uma homenagem a outro mestre: Alejo Carpentier. Tem outras homenagens, também, mas fico devendo a do Poe. Não que ele não merece, merce muito, eu é que esqueci de mencioná-lo, mesmo. :P

GX disse...

Uau! Que notícia boa! Te parabenizo pela força de vontade. Muitas pessoas não vão atrás do que querem porque antes mesmo já veem dificuldade e não acreditam em si mesmas.
Mas é isso aí, tem que acreditar que é possível. Corre atrás, junta uma grana que vais conseguir. Desejo sucesso. :)

Sandro Martins Costa Mendes disse...

Já li todos os contos, mas vou ler de novo, e de novo. Espero o livro impresso, com cheiro de novo, pra eu ter e guardar (devidamente autografado) até ele ter cheiro de velho (que é cheiro bom pra livro também). Vou te dar umas ideias pra publicação então, de graça, aproveita. A gente se fala.
Abração

Paulo Olmedo disse...

Gisela
Valeu, também. Eu sou brasileiro e não desisto nuca. :P

Sandro
Não alarma os gansos que tu já leu o manuscrito senão a impressa vai cair em cima de mim querendo que eu revele a obra huauhauhauha
Mas teus comentários, que tem embasamento, me foram úteis, senão pra essa produção, talves pra uma futura. Vamos conversar, sim, quero essas dicas.
Abraço

Paulo Olmedo disse...

bah, "nunca", "impressa", "talves" e eu ainda quero publicar.. huauhahuahua
digitar na pressa dá nisso.

Rodrigo Cáceres Lopes disse...

Bah meu! Lá se vai mais um blog....mas que bom que,pois torço para que o livro impresso com cheiro de novo saia duma vez e se torne mais um pontapé riograndino na porta da literatura do RS e, por que não, nacinonal...grande abraço

Carlos Flies disse...

Não vi isso como uma má notícia. Tá certo que era mtu legal ler teus textos aqui (de graça! haha!), mas com certeza vc está querendo dar passos maiores, e sinceramente acho isso mtu bom! Tens que seguir em frente nisso, nunca desista. Eu seria um que estaria na livraria no dia do lançamento. Realmente acho que tu tens talento de sobra. Fico feliz por vc! Te desejo mtu sucesso.

P.S: Eu tbm um dia quero publicar um livro. É mtu legal encontrar pessoas que compartilham ctg o mesmo desejo ;D

Babi Ribeiro \o/ disse...

Que bacana, cara..não desista mesmo. Talento você tem a beça, eu sempre digo. É só unir a vontade de fazer com 'o fazer' que tudo dará certo =]
E pode ter certeza que aqui tens uma leitora que também terá o livro com cheiro de novo e tudo, rsrs
Sucesso ae nesse 2011 \o/

O Matuto disse...

Em quantas anda o livro Paulo?
abração

Paulo Olmedo disse...

Tá finalizado, mas o projeto está parado. Talvez mais para o meio do ano eu retome a busca por uma editora - ou gráfica - pra publicar.
Valeu pelo interesse.

@efebete disse...

quero o meu autografado e com café!

ADO disse...

Legal! Eu quero autógrafo, mas só se tu mudar teu nome pra Jack London e adicionar "obrigado pela noite maravilhosa" no autógrafo... hummm...

Bom, onde eu estava? Ah, sim! O Livro... Só por curiosidade, via e-mail... qual mais ou menos seria o custo de publicação?