sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Um corretor

Eu sou um corretor. Desses que ficando corrigindo os erros dos outros e rindo disfarçadamente pelas suas costas. É engraçado mesmo. Ganho a vida corrigindo quem não sabe escrever direito. Na verdade, você deve estar se lichando para o que eu faço ou deixo de fazer. Mas eu também não dou a mínima para o que faço.

Nunca precizei me entupir de livros, ou coisa parecida, sempre tive um talento natural pra coisa, sabe? Eu sempre fui bom em bater o olho e ver uma discrepânsia ortográfica. Ler era perca de tempo, eu sempre tive o dom.

Ainda assim resolvi fazer Letras, não porquê eu precizasse mas se eu não tivece um diploma ninguém me daria emprego. É a lei da vida. Voçê se fode estudando para arrumar um trabalho de merda e ganhar um salário de merda, mas se você não faz isso é pior ainda. Por mais que eu tivesse o dom, eu precizava do maldito canudo.

Arrumei esse emprego e fico aqui o dia inteiro, corrigindo as bobagens dos outros ganhando dinheiro nessa editora furreca. As vezes pego uma tese de mestrado ou um trabalho acadêmico pra revizar e ganhar uma grana, mas a horas que não aparece nada. Então sigo na minha vida, casa, trabalho e buteco. Isso mesmo, todo o dinheiro que eu ganho corrigindo os idiotas escorrem guela abaixo na cerveja que eu bebo.

Eu hoje tô mal humorado, é sexta-feira e meu chefe tá me encomodando. Dizendo para ter atenção na hora de corrigir os "desvios de linguagem". Desvio, o caralho. É erro mesmo. Essa gente escreve errado, é burra semianalfabeta, acéfala. Mas eu concordo, não posso tirar o direto do homem reclamar. Por mais bom que eu seje, ele preciza fazer o papel dele de chefe.

Era isso, pessoal, mas um fim-de-semana se aproxima e as garrafa me esperam no bar. Estou só pela ordem do chefe para ir e beber até não conseguir mais me mecher. Se vocês precizarem, podem me mandar os seus trabalhos que eu corrigio na boa, afinal já fazem anos que faço isso. E desde sempre eu fui o melhor. Prometo que não não vou rir das besteiras que vocês cometerem. Não muito.

15 comentários:

F! disse...

hehe very funny... =D

Andréia Alves Pires disse...

Morri de rir! :D

R.C. disse...

Obrigado...cara, muito bom...mas...obrigado mesmo...rsrsrs!!só não espalha...

Babi Ribeiro \o/ disse...

Hahah esselente :D

Havyner disse...

muito engraçado!

R.C. disse...

meu, vi o trailer do WALKING DEAD no Omelete e...tá muuito foda...

Paulo Olmedo disse...

Valeu pelos comments, galera!
A intenção era trabalhar a questão do "erro" como forma de construção de sentido. E como todo leu, e entendeu, o objetivo foi conquistado. o/

Sandro M. C. Mendes disse...

"Formei-me em letras e na bebida busco esquecer" como já disse um personagem do Veríssimo. Muito bom!

Luiz F disse...

Muito tri!

E é baseado em fatos reais, que eu sei.

J.F. Costa disse...

Irônico. very nice!

F! disse...

como um corretor pode ser tão burro? haushauis

Leonardo disse...

No primeiro parágrafo me lembrei do J. Diego hehehe

O Matuto disse...

Muito bem çacado!

Rodrigo Cáceres Lopes disse...

falta postagem aqui...

Paulo Olmedo disse...

como assim? o.O